Coaching e Desenvolvimento, Na sala de aula

Professores e a tarefa de dar feedbacks

Você professor (a) sabe exatamente do que estou falando, temos vivido dias complicados no que se refere a comunicação ser assertiva, uma palavra e pronto, um mundo caindo sobre a cabeça do professor.

A educação que antigamente era responsabilidade dos pais, hoje tem sido delegada aos professores, pedagogos e tem tornado cada vez mais complexa a comunicação entre docente e discente, não é difícil encontrar relatos de discussões, agressões verbais e físicas contra professores e até mesmo professores que perdem a linha e acabam agredindo os alunos.

Seja no que se refere as disciplinas, comportamentos ou ainda habilidades a serem desenvolvidas o feedback é uma ferramenta poderosa para que se possa integrar o aluno ao processo educacional de maneira que seu desenvolvimento seja reconhecido ou ampliado.

Dar feedbacks aos seus alunos é importante, é uma forma de desenvolvê-los. Mas você sabe se esta fazendo da maneira correta?

O feedback tem que fazer o aluno se sentir motivado a buscar a evolução.

Hoje separei para você, professor, dicas de como dar feedbacks aos seus alunos de forma mais produtiva e assertiva:

  • Reserve momentos específicos para isso: Semanalmente, quinzenal ou até mesmo mensal, mas que seja programado em um momento específico e com objetivo determinado.
  • Não exponha o aluno diante da turma: Esta atitude pode causar algum tipo de constrangimento e até bullying, quando for um feedback “ruim”. E quando for “bom”, pode fazer com que haja desmotivação por parte de quem ainda não está indo bem.
  • Cada aluno tem suas limitações e qualidades. Tenha empatia. Apresente sempre 2 a 3 pontos positivos e 1 ponto de melhoria, pois na mente do aluno ficará como um incentivo para manter o comportamento pelo qual foi elogiado, e apresentando um ponto a ser melhorado, também mostrará que ele NÃO é o comportamento dele, esta NÃO é a identidade dele, sendo assim comportamentos e habilidades podem ser desenvolvidos.
  • Mantenha o acompanhamento: Somente dar o feedback não resolve a questão, o acompanhamento constante, com estímulos inclusive (conversas, tarefas, orientação aos pais, encaminhamento psicológico ou médico quando necessário), favorecerá o desenvolvimento promovendo mais tranquilidade para sala de aula.

O Feedback não deve ser apenas no final do ano letivo. Mantenha o acompanhamento de cada aluno e dê feedbacks há cada 3 meses.
.

Você gostaria de um treinamento especial sobre Feedback na sua escola? Clique aqui e fale comigo.

Mari Santana – Especialista em Neuroaprendizagem Avançada.